Safern - Sindicato dos Atletas de Futebol Profissional do Estado do Rio Grande do Norte

Unidos pelo bem de todos

Eternos

Zagueiro Joel Copacabana

Seu nome de batismo era Joel Ribeiro Pereira, nascido em Vitória (BA) em 27 de fevereiro de 1952 – teria 64 anos. Menino, entre a educação que recebeu dos pais e dos padre salesianos, começou a tomar gosto por futebol (e futsal), tanto que em 1968 foi parar no Flamengo-RJ.

“Acabei sendo indicado ao Fla por um diretor do time da Pol¡cia Militar, e fui ao Flamengo para um período de experiência. No primeiro treino, já assinei contrato! Fiquei até 1970, quando acabaram os juniores e juvenis, todos viraram aspirantes”, contou o próprio em novembro de 2005, ao desportista Ribamar Cavalcante e ao jornalista Rogério Torquato “Blau”, tendo Areia Preta por testemunha. Foi no Flamengo que Joel aprendeu as manhas da zaga, onde mais tarde se destacaria, e a marcar gente como Nei Bianchi e Jairzinho (o mesmo que esteve na Copa de 1970).

No ABC, década de 70 marcante para o xerife da zaga do goleiro Hélio Show

Dali foi ao São Cristóvão-RJ, onde conheceu, entre outros, Jorge Demolidor e Maranhão. Ainda passou pelo futebol cearense. Em 1975 chegou ao ABC, onde brilhou como quarto zagueiro, se bem que era polivalente e tinha como característica antecipar as jogadas – “Lá estavam Edson, Alberi, Maranhão, Noé Silva, Noé Soares, Zé Roberto… aqui tive muito prestígio”. De quebra, ganhou o apelido de Joel Copacabana.

Dois anos depois, estava no América, onde ficou até 1979. Daí até 1981 passou por outros times, entre eles o Ferroviário (CE), Treze (PB) e Baraúnas (RN), antes de pendurar as chuteiras e estudar Educação Física, onde chegou à pós-graduação. Paralelo a isto, foi coordenador da Cidade da Criança, por obra de Jussier Santos. Achou pouco, e tornou-se técnico – dirigindo América/RN,  Riachuelo/RN e base do Vitória-ES.

Campeão em 1979, pelo América, fazia dupla de zaga com Joel Natalino Santana.

Algum tempo depois, um tanto desencantado da vida de treinador de futebol – e especialmente de seus meandros – decidiu tomar outro rumo: a culinária. “Comecei num prédio alugado. Depois, com muito trabalho, comprei um terreno em Areia Preta”. Misturou peixes, frutos do mar e outros temperos, e o resultado foi a Moqueca Capixaba.

Há cerca de nove anos lutava contra o diabetes. Descobriu o problema por acaso entre 2001 e 2002 – “Foi um descuido. Quando vi, estava em uma UTI e sem as pernas… Tive que mudar de vida, mas não me deprimi nem me agredi. Fiquei amigo de muita gente e conheci pessoas ainda mais simples. Foi um aprendizado!!” Paralelo às atividades comerciais, ainda fez alguns trabalhos sociais – primeiro no 16º Batalhão de Infantaria, com as crianças de Mãe Luiza aos sábados pela manhã; os últimos trabalhos, até 2005, haviam sido no P. da Pátria e com a Vara da Infância e Adolescência.

Deixou uma legião de amigos no Rio Grande do Norte: o Empresário Jussier Santos e o Juiz Federal e fazendeiro pernambucano João Felipe Leite ainda sentem saudades.

“Joel foi um grande atleta e amigo. Avançado no seu tempo”, disse o ex presidente do América Futebol Clube, Dr. Jussier.

“Ele marcou época tanto pelo ABC como pelo América. Homem de bem que aqui constituiu família. Nosso amigo, arrematou o jurista pernambucano João Felipe.

Quanto à família, Joel era casado com “Dona” Vera Lúcia desde 1977; e deixou quatro filhos – Pablo Cássio, Puebla Ormi, Pizala Magda e Paulo Rogério.

Restaurante da família em área nobre de Natal/RN

 

Texto: nominuto.com/ajustes da editoria safern

Voltar

Inferninho
Futebol Interior
Direito de Arena
Cadastro de Atletas
Fenapaf
Capitão e Paredão

eternos

Goleiro

Eugênio
Ver mais

ÚLTIMOS VÍDEOS

Ver mais

FACEBOOK



SAFERN

Sindicato dos Atletas de Futebol Profissional do Estado do RN.
Rua Promotor Manoel Alves Pessoa Neto, 45, sala 1313
Candelária - Natal/RN - CEP - 59.065-555 - CNPJ 09159081/0001-41
Telefone: (84) 3231 - 4656 - contato@safern.com

Horário de atendimento: segunda a sexta - 14h às 18h.